No mês da mulher e diante do atual clima político e social nunca foi tão importante ter a perspectiva visual de uma mulher. Na lista abaixo, a TIME pediu para que os mais aclamados fotojornalistas, curadores e diretores de fotografia escolhessem uma fotógrafa que eles acreditassem fazer um grande trabalho e merecer destaque. O resultado é uma impressionante coleção de trabalhos brilhantes. Conheça abaixo 34 fotógrafas de todas as partes do mundo que estão fazendo um trabalho incrível por trás das lentes.

Meridith Kohut (Venezuela)

O trabalho de Meridith tem uma profundidade notável. Ela o último ano narrando a crise econômica e social venezuelana. Sua persistência e coragem a trouxeram a algumas situações muito difíceis, e ainda assim ela produziu imagens notáveis – e em alguns casos sua própria reportagem nos trouxe histórias, como esta imagem trágica de um hospital psiquiátrico.- Michele McNally, editora-gerente assistente e diretora de fotografia do The New York Times, EUA.

Meridith Kohut

Émilie Régnier (Canadá/Haiti, baseada em Paris)

Conheci pela primeira vez o trabalho de Émilie na Joop Swart Masterclass, onde ela participou em 2014. O seu projecto “Hair” explora as percepções de beleza na África Ocidental, principalmente filmado na Costa do Marfim. Apesar das mulheres que posam para a câmera usando perucas de cores não naturais, as fotos são representações honestas da obsessão das mulheres por um certo estilo de beleza. Eu amo isso porque é ousado e brincalhão ao mesmo tempo. – Rena Effendi, Fotógrafo, Azerbaijão

Émilie Regnier

Meeri Koutaniemi (Finlândia)

Fui apresentado pela primeira vez ao trabalho de Meeri durante um júri na Alemanha em 2014 para o Lumix Photo Festival. Ela foi premiada com o primeiro lugar por seu trabalho sobre a mutilação genital feminina. Sua abordagem é direta, cheia de integridade e discrição. Seu trabalho na cor também é forte e eficaz, pois ela o usa com cautela e de forma sublime. Eu acho que ela tem uma linguagem visual potente e estou muito curiosa para ver o que ela vai apresentar no futuro – Ruth Eichhorn, editora de fotos e curadora, Alemanha

Meeri Koutaniemi

Nichole Sobecki (Estados Unidos, baseada no Quênia)

Quando conheci Nichole, fiquei impressionado com sua determinação. Ela é gentil, mas destemida. E me mostrou um projeto em andamento no qual ela estava trabalhando sobre mudança climática e conflito, e espero que ela tenha sucesso em seus esforços para aumentar a conscientização sobre esse assunto cada vez mais crítico. Ela certamente não parece recuar em situações desafiadoras que transmitem grandes dificuldades humanas. No entanto, nas fotos dela há momentos de beleza, apesar de tudo… e não é assim que a vida é muitas vezes? – Susan White, diretora de fotografia da Vanity Fair, EUA

Nichole Sobecki

Johanna Maria Fritz (Alemanha)

Johanna Maria Fritz é curiosa sobre as pessoas e suas relações ambivalentes com a realidade. Embora ela tenha acabado de terminar a escola e esteja com pouco mais de 20 anos, ela já criou uma série de documentários cheia de personalidade. Fritz viajou para vários países diferentes para documentar artistas de circo. Ela descreve as fotos como “uma mistura de fotografia encenada e documental”. Ela é uma jovem fotógrafa poderosa que está determinada a seguir seu próprio caminho – Barbara Stauss, diretora de fotografia da Mare, Suíça / Alemanha

Johanna Maria Fritz

Cate Dingley (Estados Unidos)

Cate é a fotógrafa clássica de pessoas (no espírito de Dorothea Lange); ela executa justaposições instigantes que combinam forma e conteúdo em uma moldura quadrada, de modo que o espectador não pode ignorar a poesia pura em seu objetivo.
– Donna Ferrato, fotógrafa, EUA

Cate Dingley

Cécile Baudier (Dinamarca)

Eu me apaixonei pelo trabalho de Cécile quando fui juiz do Prêmio de Imagem Dinamarquesa do Ano em janeiro de 2017. Infelizmente nós não pudemos premiar o belo trabalho dela, Diáspora. O projeto é um trabalho poético e melancólico sobre cidadãos afrodescendentes no México. Estou feliz por poder destacar seu trabalho agora. Ela é muito talentosa e tem uma abordagem sensível e artística para as pessoas em suas fotografias. Cuidado com ela! – Åsa Sjöström, fotógrafo, Suécia

Cecile Baudier

Tshepiso Mazibuko (África do Sul)

Tshepiso é uma fotógrafa cujo trabalho brilha, seja exibido ou nas páginas de uma revista. Ela tem seu próprio estilo, que provavelmente vem de não ser uma estranha na comunidade onde ela fotografa. Eu a escolhi porque acredito em um trabalho que tem algo a dizer, mas também tem sua própria visão pessoal e estética. Não é meramente um registro de um evento, lugar ou questão. – Jodi Bieber, fotógrafa, África do Sul

Tshepiso Mazibuko

Kirsty Mackay (Reino Unido)

Embora eu nunca tenha a conhecido , fui apresentado pela primeira vez ao seu trabalho de Kirsty por um professor de fotojornalismo em Cambridge e, mais tarde, vi um projeto dela enquanto julgava o Unicef na Alemanha. Seu trabalho é tão fresco e simples. Ela tende a não examinar os enormes conflitos e problemas que enfrentamos, mas se concentra em perspectivas menores – como o projeto dela com meninas e a imposição da cor rosa. Sim eu sei, eu lido com notícias do mundo, mas isso me encantou. – Maria Mann, consultora europeia da Pressphoto Agency, Portugal

Kirsty Mackay/INSTITUTE

Luisa Dörr (Brasil)

O trabalho de Luisa Dorr é pura poesia. Eu, por acaso, a descobri no meu feed do Instagram, e a imagem sumiu da tela. As fotografias de Luisa são emotivas e pensativas e ela trabalha com uma graça e de forma tranquila. Temos a honra de trabalhar com ela nos últimos meses. Fique atento para o seu projeto fantástico. – Kira Pollack, diretora de fotografia e empresa visual da TIME, EUA

Luisa Dörr

Adriana Loureiro Fernandez (Venezuela, baseada no Reino Unido)

As fotos de Adriana são todo coração. Ela está tão completa e profundamente presente no que ela está vendo e experimentando. Ela tem uma compreensão belamente poética de cor, luz e sombra que é incomum em um fotógrafo tão jovem. Além disso, ela é extremamente corajosa, mas também consciente de seus próprios medos e vulnerabilidades, o que é uma combinação incomum. – Nina Berman, fotógrafa, EUA

Adriana Loureiro Fernandez

Nazik Armenakyan (Armênia)

Em 2013, viajei para Yerevan, onde tive o privilégio de fazer a curadoria da primeira exposição de mulheres fotógrafas na Armênia. O trabalho de Nazik me impressionou com sua poderosa mensagem e abordagem tranquila e elegante. Na Armênia, um ex-país soviético com uma herança não democrática, as questões de direitos humanos estão em seu foco. Para seu primeiro projeto de longa duração, Sobreviventes, sobre o genocídio armênio, ela viajou pela Armênia correndo com a morte enquanto seus súditos envelheciam. Ela encontrou 45 deles.- Svetlana Bachevanova, Editora da FotoEvidence, EUA / Bulgária

Nazik Armenakyan

Vittoria Mentasti (Itália)

Há uma certa qualidade poética e artística no trabalho documental de Vittoria. Ela tem a capacidade de encontrar histórias que vão além de notícias. – Alessia Glaviano, Editora Sênior de Fotografia da Vogue Itália, Itália

Vittoria Mentasti

Mahin Mohammadzadeh (Irã)

Mahin não é apenas uma talentosa fotógrafa. Ela é muito determinada, algo que você realmente precisa ser quando mora na província mais pobre do Irã. Ela lutou para se tornar uma fotógrafa. Seu pai inicialmente não aprovou, mas agora Mahin é a única fotógrafa em toda a província de Sistan e Baluchistão. Ela está documentando vidas em uma parte do país que raramente temos a chance de ver. Eu a admiro por ser uma escavadora silenciosa, sempre avançando, ignorando o drama. Seu trabalho é honesto e real. – Newsha Tavakolian, fotógrafo, Irã

Mahin Mohammadzadeh

Ashima Narain (Índia)

Ashima é uma fotógrafa poética e contadora de histórias. Ela sempre encontra histórias únicas e suas imagens dão sentido a nossas semelhanças no mundo que compartilhamos. Ela também é uma das fotógrafas / cineastas mais talentosas com quem já tive o prazer de trabalhar. – Ami Vitale, fotógrafo, EUA.

Ashima Narain

Charlotte Schmitz (Alemanha, baseada na Turquia)

Charlotte desenvolveu um trabalho muito consistente e original sobre os problemas que afetam uma jovem contemporânea. Ela está construindo uma narrativa muito interessante usando imagens convincentes para transmitir uma abordagem deliberadamente pessoal. Ela deu provas de sua vontade ao uso de novas linguagens que desafiam a perspectiva do documentário. O seu trabalho traz um sopro de ar fresco à forma clássica de expor como questões contemporâneas. –Cristina De Middel Puch, Fotógrafo, Espanha (baseado no México)

Charlotte Schmitz

Justyna Mielnikiewicz (Georgia/Polônia)

Justyna é uma das fotógrafas femininas mais importantes de sua geração. Justyna se destaca não apenas pela alta qualidade de seu trabalho, mas também por sua capacidade de nos aproximar de uma variedade de experiências humanas. Sua necessidade de ir mais além e procurar detalhes em cada uma de suas histórias é simplesmente notável. Ela passou 10 anos criando um corpo de trabalho sobre o Cáucaso, que é um dos mais importantes trabalhos já realizados nesta região muito complicada e “inquieta”. Para mim Justyna mantém viva as melhores tradições de fotojornalismo e fotografia documental.- Nestan Nijaradze, diretor artístico do Festival de Fotografia de Tbilisi, na Geórgia

Justyna Mielnikiewicz

Melissa Spitz (Estados Unidos)

Fiquei imediatamente impressionada quando vi o trabalho de Melissa pela primeira vez. As imagens sozinhas sem contexto foram suficientemente prementes, mas depois aprendi que a pessoa que aparece nas fotos dela é a mãe que luta contra a doença mental. Seu trabalho é corajoso, brutal, trágico e bonito. – Gillian Laub, fotógrafo, EUA (Melissa atualmente trabalha como assistente de Gillian)

Melissa Spitz

Nadia Bseiso (Jordânia)

Nadia é uma mistura rara de poeta, artista, antropóloga e documentarista. Há um componente intelectual em seu trabalho, mas o mais importante é que há um toque afetuoso e carinhoso na forma como ela fotografa as pessoas. Ela fotografa como um escritor de contos. Sua própria formação, no meio jordaniano e no meio russo, faz dela uma pessoa de dentro e de fora no Oriente Médio, e acho que isso alimenta seu trabalho. Ela está capturando um trabalho que lida com a degradação ambiental, a volatilidade da geopolítica e do gênero de maneiras novas e surpreendentes. Ela extrai da leitura extensiva (em árabe, russo e inglês) de mitologia, religião e até acordos políticos de paz. Seu novo trabalho Infertile Crescent vai cair como uma bomba. Mas um quieto. Like T.S. Eliot: “É assim que o mundo acaba. Não com um estrondo, mas com um gemido. ”- Tanya Habjouqa, Fotógrafo, Jordan

Nadia Bseiso

Monique Jaques (Estados Unidos, Brasil, baseada na Turquia)

Eu observei o olhar de Monique ao longo dos anos. Ela começou a trabalhar comigo como assistente de fotografia quando tinha apenas 23 anos e, desde então, estabeleceu uma carreira de sucesso em todo o Oriente Médio e África, mostrando seus olhos e suas histórias em lugares difíceis como o RDC, Gaza e Serra Leoa. Suas fotos são peculiares, em camadas e ricas em conteúdo. Sua cobertura da moda islâmica, as primeiras guardas florestais de Virunga e o crescimento na faixa de Gaza são todas séries inteligentes e convincentes. – Lynsey Addario, fotógrafo, EUA

Marta Iwanek (Canadá)

Quando olho para o trabalho de Marta, sinto como se estivesse espiando sua alma. Suas fotografias são tão íntimas, tão pessoais e tão honestas. São poéticas. Sua abordagem visual cria organicamente um espaço seguro para quem ela fotografa. Acredito que isso vem de sua motivação sincera e altruísta de contar histórias jornalísticas importantes com uma forte sensibilidade artística. – Barbara Davidson, fotógrafa, EUA

Marta Iwanek

Tatiana Plotnikova (Rússia)

Eu escolhi Tatiana porque ela tem seu próprio estilo, suas fotos são sempre reconhecíveis – e isso é algo que você não encontra com muita frequência. Eu escolhi suas fotos para a poesia que elas trazem para o mundo, por sua verdade surreal. Eu gosto de suas fotos porque elas ajudam a revelar a vida interior de estranhos. – Victoria Ivleva, fotógrafa, Rússia

Tatiana Plotnikova

Danielle Villasana (Estados Unidos, baseada na Turquia)

Danielle é uma contadora de histórias muito honesta, sensível, compassiva e comprometida. Ela viaja pelo mundo com foco em histórias que lidam com gênero e grandes questões sociais. Ela é altamente motivada, talentosa e determinada. Ela tem um trabalho realmente impressionante. – Ana Cecilia Gonzales Vigil, Editora Independente e Consultora, Peru

Danielle Villasana

Lara Aburamadan (Palestina, baseada nos Estados Unidos)

Eu dei um workshop para jovens fotógrafos em Gaza no ano passado e Lara estava entre os participantes. No primeiro dia, passamos pelos portfólios dos fotógrafos e o trabalho de Lara imediatamente se destacou. Ela tem um olhar artístico natural e presta atenção à luz, mas o que é mais evidente em suas imagens é a sensibilidade que ela tem em relação aos seus sujeitos. – Laura Boushnak, fotógrafa, Territórios Palestinos (com sede na Bósnia e Herzegovina)

Lara Aburamadan

Maja Hitij (Eslovênia, baseada na Alemanha)

Quando conheci Maja, ela trabalhava como estagiária na Associated Press, em Israel. Ela nem sequer tinha um colchão em seu apartamento e, no entanto, nunca reclamou. Eu comprei um. Ela andaria descalça se precisasse, a fim de dar voz às pessoas que ela está fotografando. Na fronteira da Eslovênia e da Áustria, Maja não apenas documentou a situação dos refugiados sírios, mas também ajudou a coletar alimentos e roupas. Ao longo dos anos em que conheci Maja, ela nunca esperou por uma designação, em vez disso, ela foi sozinha para Gaza ou seguir a jornada dos refugiados enquanto eles se dirigem para a Europa. Ela é uma fotojornalista com a missão de fazer a diferença e usa o poder da fotografia como sua linguagem. Sua imagem de refugiados sírios ao longo da fronteira da Eslovênia e da Áustria me lembra de muitas maneiras as fotografias de Sebastião Salgado. Suas fotos fazem um espectador olhar mais de perto – não se afastar.- Heidi Levine, fotógrafa, EUA (com base em Israel)

Maja Hitij

Fatemeh Behboudi (Irã)

Em 2014, fiz a curadoria de Asian Asian Photographers ‘Showcase, onde selecionei o trabalho de Fatemeh, com sua série Mothers of Patience. Mais tarde eu conheci Fatemeh pessoalmente na Malásia e ela era como uma garotinha, curiosa sobre tudo ao seu redor. Ela encontrou um piano e começou a tocar lindamente – ela era uma pessoa totalmente diferente do que a fotógrafa que eu imaginava trabalhar no Irã. Sua inocência permite que ela se concentre sinceramente em seus assuntos. Estou pessoalmente interessado em fotógrafos que se concentram em assuntos que, de alguma forma, estão relacionados às suas próprias vidas. Ela é um dos fotógrafos mais importantes que eu já conheci. – Yumi Goto, curadora independente do Japão

Fatemeh Behboudi

Alice Martins (Brasil, baseada no Iraque)

Alice é uma das poucas fotógrafas latino-americanas – se não a única – a trabalhar no Oriente Médio, com um grande foco na Síria. Eu amo como ela isola ilhas de aparente beleza calma e estranha no meio do caos.
– Adriana Zehbrauskas, fotógrafa, Brasil

Alice Martins

Tamara Abdul Hadi (Iraque, baseada no Líbano)

Acho o trabalho de Tamara fascinante. Para sua série Picture an Arab Man ela fotografou cerca de 85 homens e está criando retratos em vídeo também. O que eu gosto neste trabalho é que ela desafia a imagem do homem árabe como é representado coletivamente na mídia ocidental. O trabalho é gentil e mostra um lado vulnerável para os homens. – Maggie Steber, fotógrafo, EUA

Tamara Abdul Hadi

Isabella Lanave (Brasil)

Isabella é de uma geração de jovens brasileiras que conhecem sua responsabilidade para com outras mulheres, quer ela tenha ou não sua câmera na mão. Ela está aberta a ouvir e aprender, mas está ciente de seu dever – sair em campo agora e ser uma testemunha da história, como parte da história. Ela não evita fotografar assuntos difíceis, como sua própria família da classe trabalhadora. Isabella mostra intimidade com pessoas que ela fotografa – ela é próxima, mas permanece respeitosa. – Marizilda Cruppe, fotógrafa, Brasil

Isabella Lanave

Farzana Wahidy (Afeganistão)

Eu me cruzei com Farzana várias vezes no Afeganistão e sempre fiquei impressionado com a força que ela emana de sua pequena estrutura. Ela é uma fotógrafa muito talentosa. Ela consegue capturar os aspectos mais íntimos da vida cotidiana no Afeganistão, muitas vezes com foco nas questões contemporâneas que as mulheres enfrentam.- Veronique de Viguerie, fotógrafa, França

Farzana Wahidy

Marina Мakovetskaya (Rússia)

Marina tem fotografado no Tajiquistão desde 2009 e o projeto emite um certo calor, é evidente que ela simpatiza com seus fotografados. Sua imagem de uma mulher de vestido amarelo é cheia de genuína felicidade e profunda sinceridade. Há uma harmonia real na composição e cor. Eu estava encantada com isso de uma só vez. – Lialia Kuznetsova, fotógrafa, Rússia

Marina Мakovetskaya

Mónica González (México)

O trabalho de Mónica centra-se nos escombros, tanto físicos como emocionais, nas casas fraturadas pela violência. Seu incrível projeto Geography of Pain expõe o sofrimento daqueles que foram afetados por crimes violentos em todo o México através das memórias e pegadas das vítimas. – Eunice Adorno, fotógrafa, México

Mónica González

Maria Turchenkova (Rússia)

Maria Turchenkova estava em Moscou quando a anexação da Criméia aconteceu. Chateada pela turbulência política, ela me ligou e, assim, nasceu nossa primeira colaboração. Maria e eu compartilhamos uma forte crença no poder da narrativa. Maria acredita que nada é mais poderoso que uma história. Maria está agora documentando seu próprio país, “a nova Rússia”, revisitando a Revolução Russa de 1917. The Road of Revolution é um projeto que ela está trabalhando com o fotógrafo Stanley Greene, que começou em fevereiro, com a comemoração de 100 anos da queda. do império russo. O ponto de vista pessoal de Maria e suas preocupações íntimas fazem dela uma inteligente observadora e forte jornalista no terreno. – Marie Sumalla, editora adjunta de fotos do Le Monde, França

The head of Lenin in the forest.From the project  The Roads of Revolution  ©Maria Turchenkova&Stanley Greene

Violeta Santos-Moura (Portugal)

Acho que o trabalho de Violeta consegue captar os ventos silenciosos da mudança na sociedade israelense. Seu olhar profundo sobre essas questões tão abrangentes revela um novo olhar feminino. Seu ponto de vista único ajuda a elaborar uma variedade de questões que levam o espectador ao clímax visual de suas imagens.- Tali Mayer, fotógrafa, Israel

Violeta Santos-Moura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s