Dyana Smith, Lara Jo Regan e Jodi Bieber. São elas a únicas fotojornalistas a levantarem um troféu do prêmio mais cobiçado e prestigioso do fotojornalismo.  O icônico concurso, que, inclusive, se prepara para sua 62ª edição, em que o grande vencedor será anunciado no dia 11 de abril, já divulgou as 6 fotos finalistas do concurso de 2019 – e apenas uma foto finalista é de autoria de uma fotógrafa.

A fotografia é historicamente um espaço ocupado predominante por homens, mas ainda assim, é simbólico que o troféu da maior premiação do fotojornalismo tenha ido para mãos de fotógrafas em apenas 5% das edições.

Para Lara Jo Regan, que venceu a edição do ano de 2000, com a foto intitulada Sanchez Family, essa relação com o gênero no fotojornalismo deve começar a ser amenizada nas premiações de fotografia devido a quantidade de mulheres que entraram no universo fotográfico nos últimos 15 anos.  A fotógrafa norte-americana, que em seu registro vencedor, retrata as dificuldades de uma família de imigrantes mexicanos vivendo no Texas – um tema em absurda evidência 19 anos depois – é crítica ferrenha do governo Donald Trump e em entrevista exclusiva ao Icon Photo Club falou sobre o papel político e social do fotojornalismo, sobre a questão de gênero na profissão e o que mudou em sua vida após vencer o concurso holandês. Confira:

Icon: Para você o que explica o fato de somente três mulheres terem vencido o World Press Photo até hoje? Tem relação com a quantidade de mulheres no fotojornalismo?

Lara Jo Regan: Sim, o fato de que atualmente há mais fotojornalistas do sexo masculino do que do sexo feminino é um forte indicador,  mas isso deve mudar.. Muitas mulheres entraram em campo nos últimos quinze anos e naturalmente devem passar a ter uma participação maior nos concursos. Embora eu tenha certeza de que ainda exista discriminação com mulheres em muitas profissões, eu, particularmente, não sofri isso como fotógrafa. Pelo contrário, sempre convivi com grandes fotógrafos e fotógrafas que me ajudaram . Agora parece haver pressão para favorecer as mulheres…

A grande fotografia documental é uma meditação profunda e honesta sobre um determinado assunto, sobre a condição humana – não sobre sexo ou cor da pele de um fotógrafo.

Icon: Pressão para favorecer mulheres?

Lara Jo Regan: Sim, tipo uma política em situações de concursos que para forçar essa questão de gênero e isso pra mim é tão ruim quanto sabotar mulheres em competições. As duas situações são feias porque não há necessidade. Há muitas mulheres fazendo fotografia incrível em que seus trabalhos devem falar mais alto do que você ser uma mulher por trás daquele registro. A grande fotografia documental é uma meditação profunda e honesta sobre um determinado assunto, sobre a condição humana – não sobre sexo ou cor da pele de um fotógrafo.

Icon: Mas por que você não acredita que não se deve jogar luz ou “forçar” sobre a questão de gênero no fotojornalismo, nos concursos?

Lara Jo Regan: Porque isso apenas reforça o estereótipo de que as mulheres são fracas e coloca a mulher num papel de vítima agressiva-passiva e  eu acho que as fotógrafas são capazes e ponto. Todas podem fazer um excelente trabalho e não precisam jogar luz na questão “sou uma mulher”, esse holofote deve ficar reservado ao trabalho. 

Resultado de imagem para lara jo regan the sanchez
The Sanchez: foto vencedora do World Press Photo do ano 2000. Crédito: Laura Jo Regan

Icon: Sua foto vencedora retrata as dificuldades de uma família de imigrantes mexicanos vivendo no Texas. Como você avalia essa questão da imigração nos EUA hoje com a política do Trump?

Lara Jo Regan: Infelizmente, Trump usa o medo e o ódio como base, nada diferente do que ditadores fazem . ELE tenta fazer com que muitos norte-americanos trabalhadores e de classe média pensem que os imigrantes são, de alguma forma, responsáveis ​​por sua infelicidade e frustrações econômicas. É triste que ele esteja enganando tantas pessoas com esse discurso. É trágico o fato de as políticas do Trump resultaram em crianças separadas dos pais. Esse foi um período muito sombrio para a nossa história . Espero que suas políticas alarmantes façam  com que, pelo menos, os americanos conversem e pensem sobre a imigração novamente – e sobre quão frágil é nossa democracia. A imigração é tão antiga quanto a própria humanidade – todos nós viemos de algum outro lugar.

Icon: Você acredita que a fotografia tem um papel político? 

Lara Jo Regan: O fotojornalismo sério é (ou deveria ser)  uma tentativa de jogar luz na verdade e isso naturalmente levará a  um efeito político. Às vezes a verdade reforça nossas visões políticas e às vezes as contradiz, mas o importante é que tentamos ao máximo retratar a verdade real, que testemunhamos com uma câmera e uma mente aberta. Qualquer cultura ou país que perca o controle da verdade perderá seu rumo.
 A manipulação digital causou uma erosão na confiança da imagem documental e jornalística, que líderes como Trump exploram com constantes gritos de “notícias falsas” toda vez que a imprensa revela algo inconveniente sobre ele. Portanto, é ainda mais importante que os jornalistas não apenas mantenham seus padrões éticos, mas também assumam a responsabilidade de educar o público sobre quão sérios são esses padrões nas organizações de notícias legítimas, que a verdade e a liberdade de imprensa são a base da Democracia.

Agora somos bombardeados com uma quantidade insana de imagens, 24 horas por dia, tanto que pode nos dessensibilizar para os assuntos urgentes para os quais as fotografias tentam chamar a atenção.

Icon: Em tempos de  produção massiva de imagens, essa essência estaria ameaçada?

Lara Jo Regan: É verdade que agora somos bombardeados com uma quantidade insana de imagens, 24 horas por dia, tanto que pode nos dessensibilizar para os assuntos urgentes para os quais as fotografias tentam chamar a atenção. O que é irônico. Meus pais costumavam passar uma noite inteira olhando a revista LIFE nos anos sessenta. Quase todas as imagens os impactaram muito porque era a primeira vez que viam imagens da vida em certas partes do mundo.

Icon: Como foi o processo de fotografar a família Sanchez? Como você chegou até eles? Por que decidiu fotografar essa família especificamente? Como foi o approach?

Lara Jo Regan: A revista LIFE e um repórter foi quem fez minha ponte com um assistente social pra poder conhecer a família. Ali onde a família vivia não era um tipo de área que era seguro entrar sozinha. A família Sanchez me permitiu acompanhá-los o dia todo enquanto eles cuidavam de seus negócios, o que era maravilhoso. Eu estava apenas tentando capturar sua vida diária à medida que se desenrolava, a realidade da vida como americanos de nível baixo vivendo nas sombras, sem qualquer ajuda financeira, educação, etc. E apesar das dificuldades, era nítido que havia muito amor entre eles, muita esperança. É assim que tantos americanos viveram em um ponto de sua jornada até se tornar um cidadão. É como meu pai viveu quando sua família imigrou da Irlanda. Eu também queria que a foto lembrasse aos americanos que muitos de nós estamos a apenas algumas gerações de distância de como a família Sanchez estava vivendo na foto.

Icon: Você acha que ao dar um rosto para a causa (como você fez com a família Sanchez) ajuda a quebrar o estereótipo do imigrante?

Lara Jo Regan: Com certeza.Esse é realmente o aspecto mais poderoso do fotojornalismo e da fotografia documental: humanizar os assuntos para que possamos nos relacionar com eles e ter empatia com eles, em vez de apenas processá-los como dados estatísticos ou demográficos distantes. A grande fotografia deve ir mais fundo, mostrar ao mundo o que todos temos em comum como seres humanos – amor, perda, tristeza, solidão, família, doença, morte, etc. – para ajudar a superar e transcender as divisões tribais mais superficiais entre nós como o gênero, nacionalidade e raça.

Na fotografia não há dois momentos iguais, e cada momento exige uma combinação única de deciões.

Icon: Você acha que a boa fotografia nasce de um instante ou deve ser sempre pensada?

Lara Jo Regan: Sob o meu ponto de vista, a fotografia é a única forma de arte que pode congelar o tempo. Um instante em particular pode ser muito mais poderoso do que o instante anterior ou posterior. Portanto, uma habilidade fundamental de um fotógrafo é a capacidade  de avaliar, muitas vezes em uma fração de segundo, se um momento é digno de santificação. Além disso, uma série de decisões técnicas devem  ser feitas em velocidade rápida para garantir que o momento não seja perdido ou diluído na hora do registro.. Mas também há uma grande pensar e planejar a longo prazo uma foto pode levar a descobrir como aumentar suas chances de captar tais momentos sublimes em primeiro lugar.  É por isso que eu amo muito a fotografia. É tão desafiador em muitos níveis. Não há dois momentos iguais, e cada momento exige uma combinação única de decisões. Nunca é chato. Eu amo o desafio constante.

Icon: Vi que você trabalha também com fotografias artísticas. Qual seu trabalho do qual você mais se orgulha como fotógrafa?

Lara Jo Regan: No meu trabalho conceitual de arte, tenho muito orgulho da peça de instalação Drive-Thru porque combina o meu amor pela fotografia de arte conceitual e documental. Ele apresenta a fotografia documental de uma maneira nova, apresentando uma experiência cinematográfica mais imersiva – enquanto ainda preserva a função essencial de incitar a contemplação significativa do mundo real. Meios alternativos de apresentação, além dos tradicionais impressos e Internet, podem desempenhar um papel no revigoramento da natureza meditativa e provocativa das imagens documentais. Meu objetivo em Drive-Thru era ampliar a situação e o anonimato do trabalhador com salário mínimo, bem como a onipresença do panorama corporativo em nossa experiência diária.
Minha imagem documental tradicional favorita é Bed for Four, uma foto que fiz para a LIFE in Appalachia – a mesma pauta do World Press Photo do Ano 2000. Ela mostra uma mãe afro-americana e seus três filhos se preparando para ir dormir na mesma cama pequena. Todos usavam camisolas brancas e uma das crianças tinha sérios problemas de saúde. Parecendo ângulos caídos, o amor e o cuidado calmos entre eles eram inspiradores e milagrosos. Eu ainda penso nessas mulheres todos os dias. Eu me sinto tão abençoado por ter tido a oportunidade de conhecê-los e compartilhar suas histórias. Se ao menos todas as profissões nos dessem a oportunidade de passar tempo com pessoas diferentes de nós mesmos em circunstâncias muito diferentes, em um ambiente íntimo em que poderíamos conhecê-las como seres humanos. Eu acho que o mundo seria um lugar muito mais compassivo. Então, como fotógrafos, precisamos continuar a fazer o melhor para transmitir esses sentimentos e experiências para o mundo através de fotos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s