Falar de fotografia e imagem é, certamente, discutir um tema que é atual há quase 200 anos. A fotografia é uma das linguagens mais expressivas da contemporaneidade. Sua importância nas artes e na comunicação é inegável. Possibilitou que o mundo assistisse a guerra da Crimeia (1853-1856) pelas lentes de Roger Fenton. A guerra da Secessão (1861-1865). A menina nua da guerra do Vietnã de Nick Ut, em junho de 72. Nos apresentou à mãe migrante de Dorothea Lange, em 1936. Nos emocionou com V-J Day in Times Square. Documentou o maior ataque terrorista da história, o 11 de setembro, em 2001. E tantos outros acontecimentos históricos. É exatamente isso: a fotografia é um recurso do passado, do presente e, provavelmente, do futuro.

Vista da janela em Le Gras (1826-7), de Joseph Nicéphore Niépce (Imagem retirada  daqui .)
Vista da janela em Le Gras (1826-7), de Joseph Nicéphore Niépce

A imagem dificilmente será superada por qualquer outra linguagem no que diz respeito a atenção. Para o psicólogo italiano Giuseppe Mininni no livro Psicologia Cultural da Mídia ao afirmar que “a imagem consegue prender a atenção de forma mais imediata e sedutora do que outros sistemas de signos, pois fornece uma síntese de informações que parece autorizar a rapidez da primeira interpretação emocional”. Não é por acaso que o sentido mais utilizado nos últimos 200 anos é a visão e é por meio dela que se absorve mais de 70% das coisas. Um fenômeno que coincide com a época da invenção da fotografia.

É pouco provável que exista outro aparato que hipnotize tanto o ser humano quanto a imagem. Isso pode ser confirmado em números. Num único dia o Facebook distribui 400 milhões de fotos. O Instagram carrega diariamente 70 milhões. Mais 760 milhões de fotografias são compartilhadas no Snapchat e 700 milhões no Whatsapp. Num único dia pelo menos 1,9 bilhão de fotos circulam apenas em quatro redes sociais. Equivale a 22.000 imagens por segundo, ou 693 bilhões por ano.

Estamos diante de um tsunami de imagens. Nunca se produziu e se difundiu tanta fotografia ao mesmo tempo que nunca se questionou e se discutiu tão pouco sua veracidade e seu contexto. Imagens que aparecem e somem num piscar de olhos, antes mesmo que pudessem ser absorvidas. Está faltando interpretação de texto, mas também está faltando interpretação de imagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s